Pesquisar este blog

quinta-feira, 13 de março de 2014

A ordem de nascimento dos irmãos




Texto escrito pela especialista em família e educação Dr. Gail Gross

"Você vai fazer uma viagem de carro com seus irmãos adultos. Qual desses três cenários mais se parece com você?

1. Você vem planejando a viagem há semanas, já cuidou das reservas de hotel e restaurante, trocou o óleo do carro e encheu o tanque. E até já mapeou as paradas para descanso ao longo do caminho.

2. Você passou a manhã na correria, tentando aprontar tudo. No final, jogou lanches e roupas na mala de qualquer jeito, na última hora. Se é você quem vai dirigir, está torcendo para encontrar um posto na estrada e encher o tanque, que está pela metade.

3. Viagem em família? Vai ser divertido! Você aceitou o convite porque vai ser uma curtição e não planejou contribuir com nada, exceto suas piadas e historinhas divertidas. Você curte os lanches que seus irmãos mais velhos trouxeram. Percebe que talvez precise comprar um agasalho mais apropriado quando vocês chegarem ao destino.

Se você se identifica com o cenário nº 1, é provável que seja o filho primogênito.

Se o segundo cenário o descreve bem, você é provavelmente o filho do meio.

Você se identifica mais com o cenário nº 3? O mais provável é que seja o caçula."

A ordem de nascimento faz diferença

Alguns pesquisadores consideram a ordem de nascimento tão importante quanto o gênero e quase tão importante quanto questões genéticas. É a velha história da natureza versus criação. Em minha experiência de educadora e pesquisadora, sei que não existem dois irmãos que tenham os mesmos pai e mãe, mesmo que vivam na mesma família. Por que? Porque os pais são diferentes com cada um de seus filhos, e não há dois filhos que desempenhem o mesmo papel. Por exemplo, se você é o filho cuidador, o papel de cuidador já terá sido tomado, e seu irmão escolherá outro papel para exercer na família, talvez o do realizador.

Somos pais diferentes com cada filho

Como pai ou mãe, você se lembra bem de seu primeiro filho. Foi aquele que você vigiava quando estava dormindo, para ter certeza de que continuava a respirar. Foi o bebê que você carregou no colo e amamentou e/ou para o qual esterilizou mamadeiras por mais tempo. Esse filho é o único que terá tido o monopólio dos pais; todos os outros filhos foram obrigados a dividi-los.
O filho primogênito nasce numa família de adultos que se orgulha de cada conquista dele e teme todo machucado ou acidente potencial. O filho do meio com frequência é dominado pelo primogênito, que é mais velho, sabe mais e é mais competente. Quando nasce o filho caçula, os pais geralmente já estão cansados e têm menos tendência a querer controlar tudo. Quando você tem seu caçula, já sabe que seu bebê não vai quebrar; logo, pode ser mais flexível em termos de atenção e disciplina. O resultado é que seu bebê aprende desde cedo a seduzi e divertir vocês.

O realizador, o pacificador e o brincalhão

Enquanto o filho mais velho é programado para alcançar excelência e realizações, o filho do meio é criado para ser compreensivo e conciliador, e o caçula quer atenção. Assim, a ordem de nascimento dos filhos é uma variável poderosa no desabrochar da personalidade de cada um.

O primogênito: o realizador

O primogênito provavelmente terá mais em comum com outros primogênitos do que com seus próprios irmãos. Pelo fato de ter sido alvos de tanto controle e atenção de seus pais, marinheiros de primeira viagem, os primogênitos são responsáveis até demais, confiáveis, bem comportados, cuidadosos --versões menores de seus pais.
Se você é filho primogênito, é provável que seja um realizador que busca aprovação, domina e é aquele perfeccionista que suga todo o oxigênio que há na sala. Você pode ser encontrado em profissões que requerem liderança, como direito, medicina, ou ser CEO de uma empresa. Como mini-pai ou mãe, também tenta dominar seus irmãos. O problema é que, quando nasce o bebê número dois, você tem um sentimento de perda. Ao perder seu lugar no trono familiar, você também perde o lugar especial decorrente da singularidade. Toda a atenção que era voltada exclusivamente a você agora terá que ser compartilhada entre você e seu irmão.

O filho do meio: o pacificador

Se você é filho do meio, é provável que seja compreensivo, cooperador e flexível, mas também competitivo. Você se preocupa com o que é justo. Na realidade, como filho do meio, é muito provável que escolha um círculo íntimo de amigos para representar sua grande família. É nesse espaço que encontrará a atenção que lhe faz falta em sua família de origem. Como filho do meio, você é quem recebe menos atenção de sua família, e por essa razão essa família que você escolheu é sua compensação. Como filho do meio, você está em muito boa companhia: presidentes americanos notáveis e celebridades como Abraham Lincoln, John F. Kennedy, Winston Churchill, Bill Gates, Donald Trump e Steve Forbes também o são. Embora em muitos casos você só se destaque mais tarde na vida, acabará em profissões poderosas que lhe permitam fazer bom uso de suas habilidades de negociador -- e também conseguir aquela atenção que lhe faz tanta falta.
Você e seu irmão mais velho nunca vão se destacar na mesma coisa. O traço de personalidade que o define como filho do meio será o oposto daquele de seu irmão mais velho e do menor. Mas as ótimas habilidades sociais que você aprendeu por ser o filho do meio --negociar e orientar-se dentro de sua estrutura familiar-- podem prepará-lo para um papel de empreendedor num palco maior.

O filho caçula: aquele que anima a festa

Se você é o caçula da família, seus pais já se sentiam confiantes em seus papéis de cuidadores; por essa razão, eram menos rígidos e não necessariamente prestavam atenção a cada passo ou marco seus, como fizeram com seus irmãos mais velhos. Assim, você deve ter aprendido a seduzir as pessoas com seu charme e simpatia.
Como filho caçula, você tem mais liberdade que os irmãos mais velhos e, em certo sentido, é mais independente que eles. Como o caçula, você também tem muito em comum com seu irmão mais velho, já que vocês foram tratados como especiais, dotados de certos direitos inatos. Sua influência se estende a toda a família, que lhe dá apoo emocional e físico. Logo, você tem um sentimento de segurança e de ter seu lugar próprio.
Provavelmente não o surpreenderá observar que os filhos caçulas com frequência encontram profissões ligados ao entretenimento, como atores, comediantes, escritores, diretores e assim por diante. Eles também dão bons médicos e professores. Como seus pais foram mais descontraídos e lenientes, você tem a expectativa de ter liberdade para seguir seu próprio caminho em estilo criativo. E, como o caçula da família, carrega menos responsabilidade, e por essa razão não atrai experiências responsáveis.

O filho único

Se você é filho único, cresce cercado por adultos e, por essa razão, com frequência sabe verbalizar as coisas bem e tem bastante maturidade. Isso possibilita ganhos de inteligência que excedem outras diferenças de ordem de nascimento. Tendo passado tanto tempo sozinho, você é engenhoso, criativo e tem confiança em sua independência. Se você é filho único, na realidade tem muito em comum com os primogênitos e também com os caçulas.

Pais: conheçam seus filhos

Em última análise, é importante para os pais conhecer seus filhos. Ainda mais importante que a ordem em que eles nasceram é criar um ambiente positivo, sadio, seguro e estimulante. Compreendendo a personalidade e o temperamento de cada filho, você pode organizar o ambiente dele de modo a aproximá-lo de seu potencial mais pleno. Por exemplo, sabendo que o filho primogênito tem grande senso de responsabilidade, você pode aliviar a carga dele, e reconhecendo que o caçula está vivendo em um ambiente mais leniente, você pode ser mais exigente em termos de disciplina.
A criança precisa ter direito de buscar seu próprio destino, seja qual for seu papel na família, e, como mãe ou pai, sua tarefa mais importante é apoiá-la nessa sua jornada individual.

Dra. Gail Grosshttp://www.huffingtonpost.com/dr-gail-gross/


 Pequeno adendo sobre Ordem e Hierarquia, no conceito das Constelações Familiares:

"Quando um mais novo assume algo de funesto em lugar de um mais velho, mesmo que seja por amor, ele se intromete na esfera mais pessoal de alguém que hierarquicamente o precede e tira dessa pessoa e de seus destino funesto sua dignidade e força. Nesse caso, do lado bom do destino difícil já não resta a ambos a coisa em si, mas apenas o preço pago por ela. 

Quando um filho infringe a hierarquia do dar e tomar, ele se pune com severidade, frequentemente com fracasso e o declínio, sem tomar consciência da culpa e da conexão. Isto porque, como é por amor que ele transgride a ordem ao dar ou tomar o que não lhe compete, não se dá conta da própria arrogância e julga que está agindo bem. Porém, a ordem não se deixa suplantar pelo amor. Pois o sentido de equilíbrio que atua na alma, anteriormente a qualquer amor, leva a ordem do amor a fazer justiça e compensação, mesmo ao preço da felicidade e da vida. Por essa razão, a luta do amor contra a ordem está no início e no fim de toda tragédia, e só existe um caminho para escapar disso: compreender a ordem e segui-la com amor. Compreender a ordem é sabedoria, segui-la com amor é humildade."

Bert Hellinger 


E, segundo o Journal of Research in Personality:

A teoria sobre esta relação foi proposta em 1920 por Alfred Adler, companheiro e amigo de Sigmund Freud. Segundo Adler, a ordem de nascimento de um filho em uma família tem um papel muito importante.
  • Primogênito (filho mais velho). Segundo Adler, o primeiro filho é mais conservador, tende a assumir um papel autoritário e possui qualidades de líder. Acostumado a cuidar e a proteger os irmãos mais novos, ele também é carinhoso e costuma a se transformar em um bom pai/mãe no futuro. Além disso, é uma pessoa que tem iniciativa.
  • Segundo filho (irmão do meio). Se deixa influenciar pelo irmão mais velho. Muitas vezes, luta para ser melhor do que ele. Costuma colocar metas mais altas para tentar ser melhor e, por isso, tende a fracassar mais. Não obstante, isso só o faz mais forte.
  • Filho mais novo (irmão mais novo). Em geral, está cercado de carinho e atenção. Pode se sentir inferior e até mesmo ser dependente. Não obstante, é motivado e sempre luta para superar os outros irmãos. Muitas vezes, se transforma no melhor na área escolhida, como esporte ou música, e se relaciona muito bem com as pessoas. Pode ser mais irresponsável e despreocupado que os outros irmãos.
  • Filho único. Muitas vezes, compete contra seu pai. Em geral, se esconde embaixo das asas da mãe e sempre espera que cuidem dele. Precisa de proteção. A dependência e o egocentrismo são traços muito fortes na personalidade de um filho único. Costuma ter dificuldades para se relacionar com pessoa da mesma idade que ele. Não obstante, é perfeccionista e sempre luta até o final para alcançar as metas estipuladas.
Uma pesquisa encontrou mais provas de que a ordem de nascimento influencia a formação da personalidade. Cientistas analisaram as personalidades de 370 mil alunos nos Estados Unidos. As principais conclusões foram essas: os primogênitos são mais honestos e propensos à liderança, além de menos sociáveis e resistentes ao estresse. Irmãos do meio são mais responsáveis e focados. Os filhos mais novos são mais abertos e sociáveis. Os filhos únicos, muitas vezes, se mostraram mais nervosos, mas amigáveis e sociáveis.

Concluindo... Na realidade, os dados das pesquisas mostram algumas imprecisões porque não consideram uma série de fatores sociais muito importantes, como a nacionalidade, a educação e as outras relações dentro da família. Sim, a ordem influencia a personalidade, mas a relação pai e filhos também deve ser observada, assim como as diferentes formas como os pais educam cada filho dentro da mesma família.


22 comentários:

  1. olá, gostaria de saber em relação a filhos gêmeos. Eu tenho uma irmã gêmea, e embora eu tenha nascido 2 minutos depois dela, as vezes me sinto como a caçula as vezes me sinto como a do meio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Giulia, a questão de gêmeos é uma situação especifica, claro precisamos sempre conhecer o quadro total, a história, o sistema familiar e cultura deste - mas de maneira geral no caso de gêmeos percebemos uma dinâmica de precedência em relação ao momento de nascimento - ou seja, o primeiro a nascer tem precedência sobre aquele que veio logo depois. Mas é importante você refletir sobre e esta sensação e impressão, seja de irmã do meio, seja caçula, você está captando algo de seu sistema familiar, algo mais profundo. Seu lugar neste sistema. Talvez conscientemente você desconheça, mas em termos de memória celular você tem muitas informações sobre sua família e origem...

      Excluir
  2. Gratidão. Bom Dia! Seria possível informar como funciona com meios irmãos. Quando acontece a chegada de uma criança no 2º casamento, existindo 2 irmãos do 1º casamento. Namastê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marly, cada família precisa ser olhada e refletida a partir de sua formação, historia, origem, pois cada uma terá, de forma muito especial, movimentos e destinos. Mas de maneira geral, os meio irmãos seguem também uma hierarquia e precedência no sistema familiar. A questão é, quem nasceu primeiro, e qual o vinculo e relacionamento estabelecido? No caso do meio irmão(a) ser de um relacionamento anterior do pai ou da mãe, ele(a) é considerado mais velho, tem precedência, como filho de seu pai ou mãe -no sistema familiar maior. Em seu sistema nuclear, você é filha do pai e da mãe e há uma hierarquia neste sistema, você será primeira filha, ou segunda, deste casal - consanguineamente há um poderoso vinculo e uma hierarquia atrelada a esta. Os meio irmãos estão no sistema anterior ou posterior. E como tal são contados e seguem uma hierarquia. Há relação e força. Mas tal deve ser olhada em cada situação especifica.

      Excluir
    2. Indico o texto de Bert Hellinger: http://aconstelacaofamiliar.blogspot.com.br/2013/06/quem-pertence-nossa-familia.html

      Excluir
  3. Boa tarde! Tenho uma irmã mais velha,porém todos acham que sou a primogênita e me sinto aprisionada com relação a ela, pois tudo o que faço só dá certo Se ela conseguir realizar primeiro. Tenho muito amor por ela, mas tbm uma imensa rivalidade criada por competição. Gostaria de me sentir livre de sentimento de raiva e seguir a minha vida sem este emaranhado de sentimentos de amor e raiva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, talvez esta seja uma temática para seu visualizada, olhada, por meio das Constelações Familiares. O breve relato que você faz traz a questão do vinculo, precedência, hierarquia e Ordem - temáticas comumente trabalhadas por meio das Constelações Familiares.

      Excluir
  4. Olá, e no caso de ter havido um aborto na família? O filho que não chegou a viver também conta? Sendo sim, o terceiro filho viraria então o quarto. Como ele seria analisado? Voltamos para a análise do primeiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, pelo pensamento sistêmico, a partir das Ordens do Amor de Bert Hellinger percebemos pela prática que este filho que não nasceu, tendo sido abortado espontaneamente ou tendo sido provocado seu aborto, conta como filho(a). E neste caso como bem colocado por você aquele que ate então era o terceiro filho, por não se contar com a criança abortada, na verdade ocuparia o lugar de quarto filho. E nas constelações familiares vemos o efeito que isto tem, quando o lugar "faltante" é preenchido e cada um dos filhos ocupa seu lugar correto na sequência - Esta reflexão você encontrará na teoria de Hellinger que aborda a Hierarquia / Ordem de precedência.

      Excluir
  5. e se é uma familia de doze filhos tem o primeiro os outros são do meio ????? e o ultimo cacula?? é assim????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primogênito, Segundo gênito, Terceiro gênito, e assim por diante...o ultimo filho geralmente é o chamado caçula.

      Claro deve-se olhar para o contexto familiar, a cultura, os acontecimentos internos e externos a esta família, as questões de saúde, biológicas...pois tudo isto influência, juntamente com a ordem de chegada dos filhos, na personalidade e dinâmica interna e externa à família.

      Excluir
  6. Olá... é a respeito de filhos adotados.. um exemplo... um filho adotado é filho único até os 11 anos...e uma irmã depois dessa idade.
    na família biológica é o 4o filho de 6 ao todo. Como fica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá...Não entendi muito bem sua questão. Principalmente o final ficou estranho e confuso. Pode exemplificar melhor?

      Excluir
    2. Entendi assim e achei interessante a pergunta.Se uma criança é adotada,ficando como filho único por uns anos e depois ganha uma irmã.Só que na família de origem era 4 filho de um total de 6.

      Excluir
    3. Quando falamos de hierarquia na ordem de nascimento dos irmãos estamos falando de filhos nascidos, irmãos de sangue, de um casal.

      Excluir
    4. Os filhos adotados tem claramente um lugar - um lugar de chegada na dinâmica familiar. Mas existe uma diferença entre a criança adotada por um casal de uma criança gerada por este casal - e sim, isto deve ser olhado e atentado em cada caso específico.

      Excluir
  7. Olá! Sou filha única de pai e de mãe. Contudo, tenho duas irmãs mais novas por parte de mãe e por parte de pai tenho uma irmã mais velha e mais 4 irmãos mais novos. Eu seria considerada filha única? Ou filha do meio? Fiquei confusa.

    ResponderExcluir
  8. Ola Tatiana, você é a primogênita e filha única deste casal - de seu pai e de sua mãe. Seus meio-irmãos e meia-irmãs são cada qual de um sistema, que atua em parte sobre você, mas pela Ordem você esta conectada em sangue com seu pai e mãe, e deste casal você é a primeira e filha única.

    ResponderExcluir
  9. Olá bom dia!

    Sou a irmã caçula, porém depois de me minha mãe teve um aborto espontâneo, eu reconheço que ouve ( uma criança que não veio a vida ) sei que existiu!

    Mas minha questão mesmo ,que tenho responsabilidade ,dedicada ,organizada mas que meu irmão! E tando eu que tomo conta dos negócios(empresa) dos meus pais,meu irmão mas velho não da importância,acabo tomando a frente de tudo, acabo me sentindo a mas velha! É tanto que hj eu estou com 23 anos e meu irmão com 26 anos ainda moramos com nossos pais!

    ResponderExcluir
  10. Olá, tenho dois filhos: a mais velha é uma menina e o mais novo um menino. A diferença de idade entre os dois é de aproximadamente 5 anos. E até o nascimento do 2º filho, a menina era a única neta na família. Hoje, ela tem 8a8m e ele 3a10m, e vejo que ela é muito insegura, egoísta, impaciente, desafiadora (conosco) e tímida e passiva demais na escola (com professores. Isso me preocupa, pois a ansiedade tem gerado dificuldades escolares, pelo fato dela ficar muito nervosa antes de avaliações. Por outro lado, faz amizade fácil e entre crianças se posiciona na liderança.

    ResponderExcluir