Pesquisar este blog

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Pais e Filhos: uma dinâmica







Eltern und Kinder

Viele Eltern machen sich Sorgen um ihre Kinder. Manche kommen dann zu mir mit ihren Kindern. Mit wem arbeite ich dann? Mit den Eltern natürlich. Die Kinder tragen etwas für ihre Eltern. Wenn ich mit den Eltern gearbeitet habe, geht es den Kindern gut.
Viele Mütter haben ein besonderes Verhältnis zu ihrer Tochter, zu einer ihrer Töchter. Diese Tochter hat es sehr schwer. Wieso? Weil diese Tochter die Mutter der Mutter vertreten muss. Dann erwartet die Mutter von ihrer Tochter das Gleiche wie von ihrer eigenen Mutter. Die Tochter muss sich dann um die Mutter kümmern statt die Mutter um das Kind. Das passiert dort, wo die Mutter keine Achtung für ihre eigene Mutter hat, wo sie ihre eigene Mutter nicht genommen hat. Das verlagert sich dann auf das Kind.

Wenn eine Mutter mit einem Kind zu mir kommt und mich bittet, für das Kind etwas zu tun, mache ich immer etwas für die Mutter zuerst. Dann ist das Kind entlastet.
Vor kurzem kam eine Mutter mit ihrem fünf Monate alten Kind und hat sich neben mich gesetzt. Sie hat das Kind vor ihren Bauch gehalten. Ich habe ihr gesagt: „Schau mal über das Kind hinaus in die Ferne.“ Dann hat das Kind (fünf Monate alt) tief aufgeatmet – hat zu mir herüber geschaut und hat mir zugelächelt.

Also, viele Eltern, die sich Sorgen machen um ihre Kinder, können über die Kinder hinaus schauen auf das Schicksal des Kindes und diesem Schicksal zustimmen. Die Eltern haben nämlich keine Macht über das Schicksal. Aber sie verhalten sich oft, als hätten sie diese Macht. Dann greifen sie in das Schicksal des Kindes ein statt dieses Schicksal zu achten.”

Bert Hellinger



Pais e filhos

"Muitos pais se preocupam com seus filhos. Alguns então, vem a mim com os seus filhos. Com quem eu trabalho, então? É claro que com os pais. As crianças carregam algo para seus pais. Quando eu finalizo o trabalho com os pais, as crianças seguem então bem.
Muitas mães têm uma relação especial com a filha, com uma de suas filhas. Esta filha tornou-se muito difícil. Por quê? Porque esta filha deve representar a mãe da mãe. Então a mãe esperar de sua filha a mesma coisa que esperaria de sua própria mãe. Desta forma a filha se preocupa e cuida de sua mãe, ao invês da mãe cuidar e se preocupar de sua filha. Isso acontece quando a mãe não reconheceu e atentou à sua própria mãe, onde ela não tomou de sua própria mãe. Em seguida, esta dinamica se desloca para a criança.

Quando uma mãe vem a mim com uma criança e me pede para fazer algo pela criança, eu sempre faço algo para sua mãe primeiro. Em seguida, a criança fica aliviada.

Recentemente, uma mãe veio com seu filho de cinco meses de idade, e sentou-se ao meu lado. Ela manteve o filho em frente ao seu estômago. Eu disse-lhe: "Olhe atravez da criança, olhe para o além dela...olhe para muito além desta". Então a criança (cinco meses) respirou profundamente - olhou para mim e sorriu.

Assim, muitos pais que estão preocupados com seus filhos podem olhar para além das crianças, para o destino distante destas e, aceitar esse destino. Os pais de fato não possuem nenhum poder sobre o destino. Mas muitas vezes eles se comportam como se tivessem esse poder. Desta maneira, eles intervem no destino da criança, ao invês de aceitar e respeitar o destina tal como é."

(tradução livre por René Schubert)

3 comentários: